domingo, 9 de março de 2014

Dia da mulher e mulher todo dia

Sinto muito por aqueles que não concordam comigo. Mas também só sinto. Passei mais um dia internacional da mulher tendo que assistir as manifestações que movimentam a memória e, principalmente, o mercado em torno da mulher. Aliás, mais um dia pra gastar bastante com flores, bombons e jantares, e continuar a fazer da mulher o instrumento de lucro mais rentável da nossa sociedade.

O que eu acho do dia da mulher? Uma hipocrisia masculina. Mais um buquê de cemitério, um desencargo de consciência num mundo que continua machista. Dia 8 de março é o dia de fazer a média pro resto do ano, pois já virou clichê a homenagem romântica ao sexo oposto. É legal, o cara ganha status, sai bem na fita. Mas fica tudo no papel. A maioria, no dia seguinte, vai esquecer do que falou e tudo volta ao normal mais uma vez.

O mesmo bonitão que rasgou elogios é aquele que não consegue passar na rua sem olhar a bunda de uma garota, que não faz nada em casa pra ajudar nem a mãe, quanto mais a tia, a irmã ou a avó, que não vê na mulher nada além de um objeto. É o mané que se julga patrão, dono e deus da mulher. É o homem – me desculpe usar essa expressão aqui, não acredito que isso seja homem – que, dia após dia, continua sem saber mostrar afeto algum onde vive, que humilha e agride de diversas formas a esposa, que não sabe nem mesmo dar carinho à própria filha.

Dia da mulher é o dia que se separa pra apagar da memória a impressão incômoda de que, nós homens, vivemos às custas do universo feminino. E é por isso que persistem os estupros, assassinatos e toda violência contra a mulher. Apesar deste dia, em todos os outros, a mulher continua sendo sutilmente subvalorizada. Mulheres tem superado homens no mercado de trabalho, mais continuam sendo sub-remuneradas. Demonstram sensibilidade de alma, capacidade de liderança e compreensão pra além da maioria, mas ainda são um alguém que, um dia, vai finalmente se tornar humano.

É por essas e outras que o dia da mulher, na pura visão de mercado, não me entra. Não, eu conheço a história de lutas por trás da comemoração, sou sóbrio e ciente da sinceridade de muitos homens que concordariam comigo. Mas me recuso a dissimulação no dia da mulher. Dar um dia é fácil, o difícil é ser mulher todo dia. Ser abandonada nas tarefas domésticas e no final do dia ainda se ter fôlego deslumbrante. Viver de cólica em cólica, de dor de cabeça à náusea e ainda enfrentar a rotina e as responsabilidades com naturalidade. Carregar o mundo inteiro com o amor uterino e não deixar de abrir um sorriso – tudo isso todo dia.

Não, um dia não. Mais que um dia. Porque sem mulher não há vida, em todos os sentidos. Não há graça nem leveza, não há amor. E enquanto houver um dia da mulher, infelizmente, me lembrarei de o quão longe a mulher continua de encontrar dignidade, de quanta diferença ainda persiste. Contudo, o dia carrega a consciência histórica de que a igualdade ainda está para ser efetivada.

No fim, acho que um homem só será capaz de saber o que é ser humano de verdade quando reconhecer o quanto sua própria existência deve a qualquer mulher.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! Ele é um meio de você contribuir com este blog e uma avaliação muito importante pra mim.

Comentários com conteúdo ofensivo, que não estejam relacionados com o post ou que peçam parceria não serão publicados. Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados.

Fique na paz.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...